Ilha do Cardoso

Ilha do Cardoso é um verdadeiro paraíso perdido e isolado no extremo sul de São Paulo, já na divisa com Paraná no município de Cananéia. Ela pertence ao Parque Estadual da Ilha do Cardoso criado em 1962 e recebe 50 mil turistas todo o ano, mas apenas mil visitantes diários são permitidos. Tudo é muito supervisionado pela Fundação Florestal. A capacidade total de hospedagem é de 1.300 pessoas, então sempre haverá uma vaga te esperando em algum lugar. São alojamentos, áreas de acampamento, pousada e aluguel de residências ou quarto de caiçaras. O acampamento selvagem não é permitido.

Apenas 5% da Ilha do Cardoso foi povoada por comunidades caiçaras, indígenas e pela infraestrutura criada para a implantação do parque. Em Cardoso você poderá encontrar todo o tipo de vegetação nativa e intocada da Mata Atlântica. Há manguezais no Canal do Ararapira e na Baía de Trapandé, no lado ocidental da ilha. Além de uma restinga que cobre a maior parte da ilha.

Alguns passeios são as visitas às praias, costões, sambaquis, dunas, piscinas naturais, trilhas, ondas para surf e cachoeiras. A Ilha do Cardoso é uma excelente opção para quem gosta de aventura! À noite você pode aproveitar o forró, muito comum na ilha.

Uma característica que dá um ar único à Ilha do Cardoso, são suas seis comunidades caiçaras, com forte influência indígena e que conservam os costumes e tradições. É muito enriquecedor ter esse convívio com pessoas que cultivam valores há muito tempo perdidos e consumidos pelas metrópoles.

Para curtir as praias você poderá ir de trilha ou de barco, até as mais escondidas da ilha. Suas praias são normalmente contínuas e muito extensas, o que é uma característica da região. Todas as praias da Ilha do Cardoso são praticamente desertas e selvagens. Quem diria que ainda haveria locais assim em São Paulo!

Realmente é uma região contrastante com o que se conhece por São Paulo. Após às 23h as luzes se apagam! Na Ilha do Cardoso não há energia elétrica, apenas o gerador da ilha. Depois das 23h você só avistará uma lanterna aqui e ali, o que torna uma aventura acampar nesse lugar! Se você não é adepto de ficar no escuro, considere uma coisa: o céu fica um espetáculo sem luzes, coisa que não se vê normalmente.

Na Ilha do Cardoso também é possível apreciar a história do local, com numerosos sítios arqueológicos (sambaquis), ruinas antigas desde a época colonial e um marco do tratado de Tordesilhas!

Para entender melhor, a Ilha do Cardoso é divida em núcleos, o principal é o Marujá onde fica o centrinho da ilha, com restaurantes, pousadas e forró. Há o Perequê no nordeste e o Pontal do Leste no extremo sul.

Praias mais conhecidas na Ilha do Cardoso:

• Praia do Pereirinha: acesso pela trilha do Mangue (dificuldade média). Sua areia é branca e o mar azul. Não é difícil avistar golfinhos nessa praia, e eles ficam bem próximos. Há restaurante, hospedagem em casa de moradores e camping.

• Praia da Laje: caracterizada pelas suas boas ondas e pelas piscinas naturais. O acesso é difícil, são 10 km de trilha de média dificuldade. Mas vale a pena a caminhada até este paraíso!

• Praia do Marujá: é a praia mais povoada da região, com campings, pousadas, restaurantes e um forró nas noites de temporada.

• Pontal da Praia: para chegar são aproximadamente 15 km de caminhada em uma trilha bem cansativa a partir do Vilarejo de Marujá. O visual da praia deserta é incrível e para completar há o encontro do canal com o mar.

Trilhas na Ilha do Cardoso:

• Trilha do Morro das Almas: 2 km de extensão com duração de 3 horas. O espetáculo natural é o destaque da trilha, principalmente com a abundâncias de bromélias na região.

• Trilha do Poço das Antas: 2,5 km de extensão com duração de 3 horas. É uma trilha fácil que se mistura a fauna e flora das encostas dos rios.

• Ilha do Sambaqui e do Costão Rochoso: 1 km de extensão com 1 hora e meia. A dificuldade é média, mas a recompensa é grande. Essa trilha é imperdível pois a aventura leva a sítios arqueológicos e fragmentos milenares de objetos e ossos dos antigos nativos

• Trilha do Mangue: um passeio cheio de curiosidades em uma área de grande importância ambiental para a vida marinha. São 700 metros com dificuldade média, que segue o curso do Rio Perequê até a Praia do Pereirinha.

Dicas para aproveitar a Ilha do Cardoso:

• Na praia de Itacuruça, no Núcleo Perequê, existe a Sede do Parque. De lá é possível conhecer os botos cinza na praia, visitar a cachoeira de Ipanema, se maravilhar com a flora e vivenciar a cultura caiçara com suas plantas medicinais.

• Em toda ilha os nativos são amigáveis e dispostos a guiar os visitantes pelos lugares mais bonitos e inóspitos da Ilha do Cardoso.

• Na travessia vale a pena pagar a escuna quando já estiver nela, assim consegue eliminar a comissão dos vendedores. De 30 você paga 25 reais normalmente.

• O forró rola o dia todo na temporada. O principal lugar é do lado do restaurante Recanto do Marujá. Ainda próximo há outro forró, o do Celestino. Perto do desembarque há mais outro forró no bar do seu João.

• Não deixe de provar a bebida tradicional da região, a Cataia. Conhecida também como whisky caiçara, é uma cachaça envelhecida com folhas de cataia, que só nascem na região e dão um sabor único.

• Como não há luz elétrica após as 23h, vale a pena pegar a lanterna e se isolar em um lugar, deitado e olhando as estrelas. Um espetáculo!

 

Mar: agitado e bom para surf

Areia: compacta ou fofa

Público: caiçaras tradicionais, turistas e índios da etnia guarani-mbyá. Somando um total de apenas 480 pessoas!

Modalidades: surf e pesca

Onde comer: comer é gasta-se pouco! Há opções de bares, restaurantes e comércio informal de doces e salgados. Nos restaurantes provará a típica comida caiçara, mas se quiser ainda poderá ir até os locais mais afastados para comer diretamente na casa dos caiçaras,  uma comida de excelente qualidade e tudo muito barato.

Ilha do Cardoso

Ilha do Cardoso

Ilha do Cardoso

Ilha do Cardoso

Ilha do Cardoso

Ilha do Cardoso

Ilha do Cardoso

Ilha do Cardoso

Ilha do Cardoso